domingo, 12 de fevereiro de 2012

O homem das estrelas - Paulo Bocca



Quando eu era criança, gostava de olhar o ceu à noite, recheado de estrelas. Ficava imaginando, e até acreditava, que o universo poderia ser alcançado.


O que haveria no meio de toda aquela imensidão de pontinhos brilhantes? - pensava eu.


Eu cresci, e não houve outro jeito, sem ter como alcançar uma dessas estrelas. Umazinha que fosse.


Mas, foi numa certa noite, depois de tanto refletir sobre as minhas coisas feitas, erradas e nada perfeitas, outras boas e até corretas, que eu botei a mão no peito e senti que ali havia uma estrela ao meu alcance.


Foi assim que, de todo o universo que meus olhos desejavam, perdidos na imensa distância infinita do cosmos, eu poderia escolher aquilo que eu guardava no meu próprio universo, irradiando um facho de luz chamado amor.

Um comentário:

  1. Fantástico! Adorei seu texto!
    "eu poderia escolher aquilo que eu guardava no meu próprio universo, irradiando um facho de luz chamado amor."
    É isso ai cara, sensacional!
    Da uma passada no meu blog se tiver um tempo e quiser ler umas poesias e textos meus.
    http://jovenssaopensadores.blogspot.com.br/
    Abração velho, luz, paz e muito amor!

    ResponderExcluir